Verdade Seja Dita

No final do ano passado, precisei renovar alguns dos meus documentos brasileiros. Existe um Consulado Geral do Brasil em Sydney, mas eles são os responsáveis por atender brasileiros na região de NSW (New South Wales), QLD (Queensland), NT (Northern Territory). Nós, “victorianos”, temos que recorrer diretamente aos serviços prestados pela Embaixada do Brasil, na capital da Austrália, Canberra. Abre parênteses. Minha mãe me contou hoje que uma mulher deixou de ganhar uma grana no programa do Faustão, por não saber qual era a capital da Austrália. Você, que lê o meu Blog, não vai passar pelo mesmo problema! Repita comigo: a capital da Austrália é CANBERRA! A capital da Austrália é CANBERRA! A capital da Austrália é CANBERRA! Decorou? Você já está pronto para participar dos próximos programas do gênero na TV… Hahaha! Fecha parênteses.

A Embaixada conta com um serviço intitulado “Consulado Itinerante”, que viaja por algumas cidades australianas prestando serviços à comunidade brasileira, em média duas vezes por ano. O brasileiro deve inscrever-se, agendando um horário, para ter atendimento quando a equipe chegar em sua cidade. Quando eu precisei usar o serviço pela primeira vez, o Itinerante foi cancelado, por corte de verbas. Serviço público brasileiro é sempre serviço público brasileiro, ainda que no exterior! Como eu não podia esperar mais, já que um dos meus documentos vencidos era simplesmente meu PASSAPORTE, tive que agendar uma hora direto lá na própria sede da Embaixada. Consegui um horário numa segunda-feira, logo de manhã, o que foi um excelente motivo para passarmos um fim de semana na cidade, já que seria impossível chegar no horário, se eu não fosse de avião.

Amei a cidade! Turismo da melhor qualidade! Se você tiver a chance de conhecer o lugar, não perca! Voltei de lá encantada. Mas, como toda boa cidadã brasileira, eu estava esperando perder um dia inteiro com a burocracia do serviço público nacional. Sinceramente, eu tinha péssimas expectativas, já que, além de ser prestação de serviço público, ainda havia um tal corte de verbas envolvido! Enfim, vivi no Brasil por toda a minha vida, e a gente sabe como as coisas funcionam por lá… Eu estava esperando um atendimento de nível brasileiro, se é que você me entende… Mas olha gente, adoro ser surpreendida, principalmente quando sou POSITIVAMENTE surpreendida! Chegamos pontualmente e fomos prontamente atendidos!  Como se não bastasse, fomos muito bem atendidos, com cordialidade, simpatia e excelência em todos os processos. Levamos pouco mais de 45 minutos para resolver tudo, numa sala super confortável e com pessoas muito prestativas!

Certamente, nós brasileiros gostamos um pouquinho de reclamar daquilo que achamos que não está de acordo. Muitas vezes, reclamamos até sem motivo, simplesmente pelo “bom e velho hábito” de reclamar. Mas, quantos de nós elogiamos e agradecemos, quando somos bem servidos? Não tive dúvidas: agradeci muito. Cheguei em casa e logo no dia seguinte, enviei um email de agradecimento a toda a equipe que me serviu tão bem na Embaixada. Recebi prontamente uma resposta, pedindo-me para enviar os comentários e elogios a Ouvidoria Consular Brasileira, o que fiz sem demora. O que é bom precisa ser reconhecido. Um bom trabalho merece ser elogiado. Gentileza gera gentileza. E fiquei muito orgulhosa e segura, sabendo que posso contar com um serviço público de qualidade, estando tão longe do meu país. Obrigada, Embaixada do Brasil na Austrália! Eu reclamo quando me sinto lesada em algum direito meu, mas reconheço quando o trabalho é bem feito! Foi uma experiência muito positiva…

Eu toda feliz na Embaixada...
... e aproveitando para fazer turismo - Parliament House, Canberra - ACT

 

Que Mundo Pequeno!

Hoje eu acredito muito nisso. Ele é pequeno mesmo. Se a gente está aqui, vivendo no mesmo momento, a gente pode se encontrar! Talvez hoje eu acredite mais do que antes, já que essa minha experiência de viver longe do meu país tem me propiciado encontros muito interessantes ao redor do Globo. Você já parou para pensar em quantas vezes acontecem coisas que te levam à exclamar: “Nossa! Que mundo pequeno!”?

Uma delas aconteceu em Dubai, quando eu estava em uma das lojas do nosso hotel, comprando alguns “souvenirs” e falando pelos cotovelos! Logo uma brasileira se aproximou e pronto: o papo rolou solto! Estive em Sydney duas vezes e, nas duas, encontrei brasileiro em vários lugares… Aliás, hoje eu tenho uma teoria pessoal: brasileiro e chinês têm em tudo quanto é canto do mundo! Dão em árvores. Eles proliferam. Multiplicam-se. E eu adoro! Quando eu encontro um brasileiro, é uma festa prá mim! De verdade… Nunca fui daquelas pessoas que saem do país e fogem das suas raízes. Ou negam suas origens. Ou não querem deixar a conversa em Português “atrapalhar” sua aprendizagem no Inglês. Eu CURTO encontrar um conterrâneo.

Depois de quase 3 anos (pasmem! Já estou quase lá…) morando aqui em Melbourne, essa semana, pela primeira vez, encontrei gente falando Português no trem! Sempre tento ouvir as “trocentas” línguas sendo faladas ao meu redor e fico brincando de tentar identificá-las, já que não entendo nada! E dessa vez, me peguei alegremente (que coisa feia!) ouvindo e entendendo a conversa alheia! Não resisti e soltei um sonoro: Nunca tinha ouvido gente falando Português dentro do trem antes! Nem preciso dizer que o papo fluiu, trocamos telefones e essas coisas…

Também tenho tido o prazer de conhecer pessoalmente algumas pessoas que fizeram um primeiro contato comigo pela Internet, através do Blog ou Redes Sociais. São poucas, mas fico feliz em poder ajudar uma pessoa virtualmente, e depois poder encontrá-la aqui no meu mundo real. E para comprovar que o mundo é mesmo pequeno, no último domingo, na Planetshakers, encontrei pela primeira vez um amigo virtual, para quem dei algumas dicas sobre a vida em Melbourne através do Blog. Até aí tudo bem, porque eu mesma indiquei a Igreja prá ele. Mas advinhem? Lá estava o Rafael (meu leitor assíduo!) com o Marcos, uma das pessoas que conheci no trem!!! Mundinho, mundinho. Hahahahahhah!

E há quem diga que na Austrália não tem muito brasileiro. Ainda estou tentando descobrir sobre qual Austrália essas pessoas estão falando. A minha tem muita gente da Terrinha… E isso me faz sorrir, me faz sentir um pouquinho mais “em casa”, enquanto a gente troca experiências e joga papo fora. Em bom e claro PORTUGUÊS, of course!

E eu aproveito prá compartilhar uma matéria do Jornal Hoje, sobre intercâmbio na Austrália e, de antemão, posso AFIRMAR: impossível viver aqui sem brasileiros ou a Língua Portuguesa ao seu redor! E quer saber? Com certeza, essa é uma das coisas que nos sustentam por aqui e diminuem aquela sensação de buraco que a gente sente na boca do estômago, por estar vivendo Tão Tão Distante!

*Apenas uma pequena correção: são 13 horas de diferença, não 12, como foi falado na reportagem.

Hillsong Conference – Melbourne

Se eu pudesse fazer algumas adaptações nas sugestões do livro 1015 Coisas Para Ver e Fazer na Austrália, certamente eu iria incluir uma visitinha à Hillsong, em Sydney. Gente, eu falo sério! É muito impressionante ver uma multidão cantando, dançando e adorando à Deus com tanta paixão! Tive o privilégio de vê-los ministrando em Sydney por duas vezes: uma na Igreja mesmo e outra na gravação do álbum A Beautiful Exchange. Coisa para guardar no coração por toda a vida da gente…

Esse ano, em comemoração aos 25 anos da Hillsong Conference, eles estão viajando pelas principais cidades australianas (Melbourne, Perth, Adelaide e Brisbane), levando a Hillsong Conference na bagagem! E como não poderia deixar de ser, aproveitei a oportunidade para estar lá, elevando meu número de experiências “hillsonianas” para três, em menos de três anos morando por aqui! E que PRI-VI-LÉ-GIO têm sido esses momentos em minha vida! As palavras foram abençoadoras, o louvor de uma unção e qualidade musical inacreditáveis, mas o auge do evento foi mesmo a ministração da noite pelo UNITED!

Confesso que NUNCA vi em toda a minha vida um show ao vivo com tamanha qualidade! Eles têm se superado à cada ano nas letras, melodia, arranjos, solos, unção e capacidade de contagiar cada pessoa naquele estádio… É impossível não ser tocado, contagiado, envolvido, consolado e animado por Deus através daquelas músicas! Mais uma vez eu digo: se um dia você tiver a oportunidade de ver isso ao vivo, por favor, não a perca! Aqui ou em qualquer outro lugar do mundo, se a vida lhe surpreender com esse presente, aproveite, porque será um marco!

Se você está lendo meu Blog e não faz a mínima idéia do que estou falando, poderá conhecer um pouco mais através dos links abaixo:

Hillsong Church em Sydney, Australia.

Hillsong UNITED

Hillsong Conference – Melbourne

Canal do United no YouTube

 

Brasileiras na Hillsong Conference!

1015 Coisas Para Ver e Fazer Na Austrália.

Por anos a fio, meu livro de viagem predileto foi “1000 Lugares Para Conhecer Antes de Morrer”, de Patrícia Shultz. Meu exemplar é todo marcado, anotado, comentado, grifado, entupido de marcadores de páginas, indicando cada lugar desse mundo que ainda quero conhecer… Ele ficou tão gordo e pesado, que é impossível ficar andando com ele de um lado para outro.

Na realidade, sou daquelas colecionadoras de revistas de Turismo, livros de viagens, fotos, reportagens e postais, que têm o poder de me fazer “viajar”, com perdão do trocadilho pobre! Inclusive decidi que vou mudar de carreira e estudar Turismo aqui na Austrália, devido à essa minha paixão antiga e sufocada… Sempre sonhei em conhecer o máximo de lugares possível, já que uma vida inteira é pequena demais para caber no meu sonho de viajar por TODO O MUNDO!

Há pouco tempo atrás, comprei um exemplar de “1015 Things To See and Do In Australia”, de Bruce Elder. Pronto! Outra paixão… Não largo mais dele! Fiquei fascinada pelos lugares, coisas interessantes (outras, nem tanto) e dicas imperdíveis sobre a Terra dos Cangurus! Devorei o livro e comecei a minha marcação de praxe; o coitado já está quase irreconhecível!

Tive uma idéia deliciosa e estou seriamente planejando colocá-la em prática: criar meu próprio livro, visitando os lugares sugeridos e colocando fotos pessoais no lugar. Não sabemos quanto tempo ainda vamos viver aqui em “Tão Tão Distante”, mas enquanto vou levando minha vida por essas bandas, tento alcançar meu alvo de 1015 coisas… Algumas delas já conhecemos e vou compartilhar cada experiência por aqui! Acabei de adicionar uma categoria nova, com o título do livro, para registrar cada um desses lugares! Sei que pode ser um sonho impossível, que provavelmente eu não consiga ver todas as 1015, mas,  pelo menos, terei me divertido muito tentando…

Minha paixão mais antiga...
... e a mais atual!

 

 

Se Deus Tivesse Uma Casa Na Praia…

“Se Deus tivesse uma geladeira, seu desenho estaria lá na porta. Se Deus tivesse uma carteira, sua foto estaria lá dentro.” Essa frase tem sido amplamente divulgada pela Internet, mas pouquíssimas pessoas lhe dão o devido crédito. Quem escreveu isso foi um dos meus autores prediletos, MAX LUCADO. Logo que li esse trecho pela primeira vez, em um de seus incríveis livros, comecei “a ver” Deus de uma maneira mais próxima, menos informal, no dia-a-dia, fazendo coisas que nós humanos fazemos. Minha lista foi crescendo e ainda hoje gosto muito de “imaginar” Deus tendo ou fazendo coisas que os simples mortais fariam…

Foi pensando nisso que conheci um dos lugares mais lindos da Terra. Um lugar onde o silêncio se encontra com o Sagrado, com o Santo, com o inexplicável… Perdi o fôlego quando meus olhos repousaram sobre a visão dos 12 Apóstolos, em Victoria. Perdi a vontade de falar, de fotografar, de considerar… Eu apenas observei. Fiquei em silêncio total, enquanto pensava como alguém no mundo poderia negar a existência de Deus, diante de uma cena como aquela, diante de um palco como aquele, perfeito em luzes, nuances, cores, cheiros e sons. Fui tomada pela presença de Deus e Sua Soberania e só conseguia agradecer por estar viva, por ter o privilégio de ver aquilo tudo…

Os Doze Apóstolos são pilhas de rocha gigante que se elevam majestosamente do Oceano Antártico e são a característica central do acidentado Port Campbell National Park, em Victoria. Foram criados pela erosão constante das falésias calcárias do continente, que começou há 10-20 milhões de anos atrás. A tempestade e os ventos do Oceano Austral gradualmente fizeram a erosão  mais suave de calcário, formando cavernas nas falésias. As cavernas eventualmente se tornaram arcos e quando elas quebraram, pilhas rochosas de até 45 metros de altura ficaram isolados do litoral. O nascer e pôr-do-sol oferecem vistas particularmente impressionantes, como a mudança de cor escura e sinistra na sombra, para um amarelo-areia brilhante sob um sol cheio. Os 12 Apóstolos estão localizados a leste de Port Campbell, ao longo da Great Ocean Road. Parques de Vitória construíram passarelas, trilhas e áreas de observação para garantir que se possa obter uma vista espectacular. Imperdível para qualquer apaixonado pela Austrália!

Diante de um cenário como esse, rapidamente Max me roubou a cena, como ele sempre faz. Ou teria ele me incluído na cena??? Bem, não sei ao certo, mas não tive dúvidas: Se Deus tivessse uma casa na praia, seria bem de frente para os Doze Apóstolos, Max!


Minha amiga Carol e eu, apenas em silêncio...

1. “Twelve Apostles” é uma das 1015 Coisas Para Ver e Fazer na Austrália! Faltam agora 1014.

Um Dia Para Ser Sempre Lembrado…

Hoje comemoramos por aqui o “Remembrance Day” (também conhecido como “Poppy Day”, “Armistice Day” ou “Veterans Day”), para lembrar o sacrifício dos membros das Forças Armadas e os civis em tempos de guerra, mais especificamente desde a Primeira Guerra Mundial. É observado em 11 de novembro para lembrar o fim da I Guerra, oficialmente encerrada  “às 11 horas do dia 11 do mês 11”, com a assinatura do armistício alemão.

A papoula vermelha (poppy) se tornou um emblema familiar do Remembrance Day devido ao poema “In Flanders Fields“. Estas papoulas floresceram entre alguns dos piores campos de batalha, e a sua brilhante cor vermelha é um símbolo apropriado para o sangue derramado na guerra.

 “Remembrance Day” é a designação para o dia em muitos países da Commonwealth, como o Reino Unido, Austrália e Canadá. Entretanto, o “Armistice Day” é a designação primária utilizada na Nova Zelândia e França. “Poppy Day” é também um termo popular usado, especialmente em Malta e África do Sul. “Veterans Day” é mais usado nos Estados Unidos, mas muitas outras nações aliadas também comemoram o dia .  Ao redor do mundo, as cerimônias são realizadas às 11h, em memoriais de guerra e escolas, em bairros e vilas de todo o país, quando “The Last Post” é tocada por um corneteiro e um silêncio de um minuto é observado. Na Austrália, o “Dia de Relembrar”  é sempre comemorado em 11 de Novembro, embora não seja um feriado público. Nas últimas décadas, porém, o Remembrance Day  foi parcialmente ofuscado pelo  ANZAC Day (25 de Abril) como o Dia Nacional de comemoração da guerra.

A maior comemoração de Melbourne acontece no meu lugar preferido, o “SHRINE OF REMEMBRANCE” (veja o endereço do site no meu BLOGROLL, à direita). Já falei muito desse lugar, onde sinto uma paz incrível, uma vontade enorme de pedir à Deus pelo fim das guerras, sejam elas políticas, econômicas, religiosas ou até mesmo por disputa de ego e poder pessoais. Nesse lugar, somos levados naturalmente à reflexão, à introspecção e análise interna, seja sobre o mundo em que vivemos, ou sobre nosso mundo interior e pessoal. Amo ir até lá prá ficar sozinha, em silêncio comigo mesma, pensar na vida e ter uma vista privilegiada de toda a cidade. Recomendo sempre, prá todos que vêm visitar Melbourne.

Que todos nós tenhamos nosso MINUTO DE SILÊNCIO hoje, clamando pela paz no mundo!

 

Eu no SHRINE (o lugar mais lindo e cheio de paz em Melbourne!)
Poppy, a flor símbolo dos campos de batalha.

2. “Shrine of Remembrance” é uma das 1015 Coisas Para Ver e Fazer na Austrália! Faltam agora 1013.

Finais Do Australian Open 2009!

É uma pena que esteja acabando, mas hoje, 31 de janeiro e amanhã, 01 de fevereiro, são as finais do feminino e do masculino, respectivamente!  Entre as mulheres, a briga será entre Dinara Safina (Rússia) e Serena Williams (EUA), um duelo entre a Segunda e a Terceira do mundo, prá saber quem será a nova PRIMEIRA! Já os homens darão show amanhã à noite, com Rafael Nadal (Espanha) enfrentando Roger Federer (Suica)! A realidade? Os australianos estão mesmo é querendo excelentes finais, porque AMAM Tenis! Quem vai ganhar? Isso não importa tanto… A Festa por aqui já está garantida apenas pelo Evento em si!!!

Agora eu, claro que tenho preferências! Meus dois favoritos estão fora da competição ( Novak Djokovic, da Sérvia, e Jelena Dokic, da Austrália!) então… Aposto em Serena e Nadal como os Primeiros no Ranking… Ele, defendendo sua posição de NÚMERO 1 DO MUNDO;  ela, tentando chegar lá!!! Assistam por aí, quem tiver ESPN!!! Vai ser bom demais!

                                                                                                 As meninas:

b_finalwomensversus_30_1

 

b_nadal_30_17

                                                                          Nadal

 

federer

Federer

3. “Australian Open” é uma das 1015 Coisas Para Ver e Fazer na Austrália! Faltam agora 1013.