Verdade Seja Dita

No final do ano passado, precisei renovar alguns dos meus documentos brasileiros. Existe um Consulado Geral do Brasil em Sydney, mas eles são os responsáveis por atender brasileiros na região de NSW (New South Wales), QLD (Queensland), NT (Northern Territory). Nós, “victorianos”, temos que recorrer diretamente aos serviços prestados pela Embaixada do Brasil, na capital da Austrália, Canberra. Abre parênteses. Minha mãe me contou hoje que uma mulher deixou de ganhar uma grana no programa do Faustão, por não saber qual era a capital da Austrália. Você, que lê o meu Blog, não vai passar pelo mesmo problema! Repita comigo: a capital da Austrália é CANBERRA! A capital da Austrália é CANBERRA! A capital da Austrália é CANBERRA! Decorou? Você já está pronto para participar dos próximos programas do gênero na TV… Hahaha! Fecha parênteses.

A Embaixada conta com um serviço intitulado “Consulado Itinerante”, que viaja por algumas cidades australianas prestando serviços à comunidade brasileira, em média duas vezes por ano. O brasileiro deve inscrever-se, agendando um horário, para ter atendimento quando a equipe chegar em sua cidade. Quando eu precisei usar o serviço pela primeira vez, o Itinerante foi cancelado, por corte de verbas. Serviço público brasileiro é sempre serviço público brasileiro, ainda que no exterior! Como eu não podia esperar mais, já que um dos meus documentos vencidos era simplesmente meu PASSAPORTE, tive que agendar uma hora direto lá na própria sede da Embaixada. Consegui um horário numa segunda-feira, logo de manhã, o que foi um excelente motivo para passarmos um fim de semana na cidade, já que seria impossível chegar no horário, se eu não fosse de avião.

Amei a cidade! Turismo da melhor qualidade! Se você tiver a chance de conhecer o lugar, não perca! Voltei de lá encantada. Mas, como toda boa cidadã brasileira, eu estava esperando perder um dia inteiro com a burocracia do serviço público nacional. Sinceramente, eu tinha péssimas expectativas, já que, além de ser prestação de serviço público, ainda havia um tal corte de verbas envolvido! Enfim, vivi no Brasil por toda a minha vida, e a gente sabe como as coisas funcionam por lá… Eu estava esperando um atendimento de nível brasileiro, se é que você me entende… Mas olha gente, adoro ser surpreendida, principalmente quando sou POSITIVAMENTE surpreendida! Chegamos pontualmente e fomos prontamente atendidos!  Como se não bastasse, fomos muito bem atendidos, com cordialidade, simpatia e excelência em todos os processos. Levamos pouco mais de 45 minutos para resolver tudo, numa sala super confortável e com pessoas muito prestativas!

Certamente, nós brasileiros gostamos um pouquinho de reclamar daquilo que achamos que não está de acordo. Muitas vezes, reclamamos até sem motivo, simplesmente pelo “bom e velho hábito” de reclamar. Mas, quantos de nós elogiamos e agradecemos, quando somos bem servidos? Não tive dúvidas: agradeci muito. Cheguei em casa e logo no dia seguinte, enviei um email de agradecimento a toda a equipe que me serviu tão bem na Embaixada. Recebi prontamente uma resposta, pedindo-me para enviar os comentários e elogios a Ouvidoria Consular Brasileira, o que fiz sem demora. O que é bom precisa ser reconhecido. Um bom trabalho merece ser elogiado. Gentileza gera gentileza. E fiquei muito orgulhosa e segura, sabendo que posso contar com um serviço público de qualidade, estando tão longe do meu país. Obrigada, Embaixada do Brasil na Austrália! Eu reclamo quando me sinto lesada em algum direito meu, mas reconheço quando o trabalho é bem feito! Foi uma experiência muito positiva…

Eu toda feliz na Embaixada...
... e aproveitando para fazer turismo - Parliament House, Canberra - ACT

 

Vida De Imigrante Nem Sempre É Fácil…

Desejo de coração que nesse Natal, muitos brasileiros consigam viver a alegria de ESTAR PERTO! Esse vídeo é bem próximo da realidade de muitos brasileiros que vivem longe de casa… Nem preciso dizer o quanto me emocionei, preciso? Tive que compartilhar com vocês… A imagem vale mais do que TODAS as palavras do mundo!!!

Pronto, falei! Tô Leve!

Dia desses tivemos uma discussão na aula sobre estereótipos. Assunto legal, não? Meu professor começou perguntando o que as pessoas pensavam quando ele citava o nome de um determinado país. Confesso que eu nem estava prestando muita atenção, fazendo outra coisa, quando de repente ouço “BRASIL” e automaticamente duas pessoas respondem rápido: “DROGAS”!  Ah, pra quê? Senti a ira começando a inflar aqui dentro… Imediatamente me virei enfurecida para as tais pessoas e bati na mesa, esbravejando: Que é isso, gente? O Brasil NÃO é conhecido no mundo por causa de drogas, não! Esse estereótipo é de outro país na América do Sul, nossos vizinhos! Vocês estão equivocados!!! O Brasil é conhecido por samba, futebol, Carnaval, alegria, comemorações o ano inteiro!!! E meu professor, todo querido, veio em meu auxílio, confirmando as informações que eu compartilhava, tentando controlar a minha súbita “fúria”.

Abre parêntese. Estou mesmo farta de tanto responder perguntas hediondas sobre o Brasil e a nossa realidade. Por exemplo, já me perguntaram mais de uma vez se todo mundo anda de biquini pela rua… Sim, meu querido! O Brasil inteiro é uma enorme praia e a gente fica o ano todo praticamente pelado, andando de Havaianas e bebendo água de coco!!! Outros querem saber se eu já desfilei com aquelas fantasias maravilhosas com 165.783.940.526.374 plumas, sambando no Carnaval carioca. E quando ouvem a minha resposta, dizendo: Não, eu ODEIO Carnaval, me olham com aquela cara de espanto! Já tive o desprazer de responder a um ser que me perguntou se eu morava na floresta! Sim, gênio, bem no meio da Floresta Amazônica! Vou trabalhar de cipó, meu amor… Não tá percebendo esse arco e flecha aqui na minha mão? Grrrrrrr! A situação mais irritante foi discutir com um colega de classe, que afirmava de pé junto que a Amazônia não pertence ao Brasil! “Ela fica perto, mas não dentro”, disse ele. Eu posso com isso??? Gente que pensa ser o Espanhol a nossa língua-mãe, é quase 80%. Você diz que é brasileira e o dito cujo logo pergunta: “Tu hablas español”??? Não, Einstein, Io parlo Português!!! Fecha parêntese.

Depois da discussão do estereótipo, chego em casa e caio na Internet, procurando coisas sobre o assunto, e encontro uma pesquisa no site da CNN. A nacionalidade considerada mais “cool” do mundo é a BRASILEIRA! Por quê? Oras, porque, traduzindo com fidelidade o que diz o site, “sem brasileiros, não teríamos o samba e o Carnaval do Rio, não teríamos a beleza do futebol de Pelé e Ronaldo, não teríamos o biquini minúsculo e corpos tonificados da praia de Copacabana”. Cheguei no dia seguinte radiante de alegria, e, mal a aula começou, abri meu computador toda prosa e PALESTREI sobre a tal pesquisa! Hahahaha! Silêncio geral… Sabe aquela sensação MA-RA-VI-LHO-SA de riso interior???

Mas como quem ri por último (interna ou externamente) sempre ri melhor, poucos dias depois estoura um escândalo em Melbourne: feita a MAIOR apreensão de drogas já vista no Estado de Victoria, a quinta maior na Austrália, vinda de onde? De onde? Por favor, caro leitor, me responda: de onde???  Da minha pátria-amada-idolatrada-salve-salve! Nem preciso dizer que foi vergonhoso encarar a realidade e ter que aceitar  as drogas como um estereótipo triste da imagem atual do nosso país perante o mundo. Eu só tenho a lamentar.

Doença Crônica Julina!

Ano passado, nessa mesma época, eu estava no Brasil. Sozinha. Remediando a saudade da família e dos amigos, da minha cidade do coração (não sou jundiaiense de berço, mas amo como se fosse!), de algumas comidas prediletas e de alguns momentos únicos para mim. Meu marido e meus filhos ficaram aqui na Austrália. Literalmente, uma viagem paliativa. Como um Band-Aid emocional, em uma ferida gigante. A saudade dos meus filhos não me permitia curtir a cura da saudade de quem ficou no Brasil… Brincadeira bem SEM graça!

Mas os momentos que passei lá, com algumas pessoas absolutamente INSUBSTITUÍVEIS em minha vida, tornaram minha estadia aqui muito mais produtiva. Quando voltei, a Austrália parecia mais bonita, mais agradável, mais atrativa e totalmente capaz de se tornar “meu lar”! A sensação que eu tive quando cheguei, foi a de que tomamos a decisão certa, de que morar aqui é TUDO DE BOM, que a qualidade de vida vale a distância… Munida de minha energia recarregada e relembrando algumas situações desagradáveis vividas lá, comecei um novo ciclo cheia de esperança, acreditando que, enfim, ia demorar para sentir falta de tudo que ficou para trás! Que engano! Apenas um ano depois, cá estou eu com uma saudade quase insuportável dentro do peito, disposta à viver tudo outra vez, apenas para estar perto de algumas pessoas que deixei lá…

Claro que alguns fatos desencadearam a minha “homesick” atual. Falei ao telefone com minha mãe por um tempão no último domingo, com meu irmão que estava passando uma semana na casa dela, e relembramos coisas boas e bons momentos compartilhados. Hoje minha irmã deixou uma mensagem no meu Facebook, também relembrando minha ida no ano anterior. E por fim, o golpe final: revi as fotos que tiramos lá e relembrei cada momento vivido! Pronto. Agora é fato. Tenho uma nova doença crônica: a síndrome da saudade da viagem das férias de Julho! Hahahahahah!

Conversando com uma amiga brasileira no último fim de semana, concluímos que a verdade é UMA SÓ: saudade é uma doença crônica. Vai e volta. Melhora e piora. Some e reaparece. Basta um pequeno detalhe, uma lembrança, um cheiro, uma música, uma foto, um pensamento, e lá vem ela forte e insuperável, arrasando com as certezas que a gente “ACHAVA” que tinha. E a conclusão mais profunda de nossa conversa: o pior problema é ter saído do Brasil para morar fora. Depois disso, nosso coração ficará eterna e dolorosamente dividido. Querendo estar lá e aqui ao mesmo tempo. Amando tudo que a nova vida aussie nos proporciona, mas desejando ardentemente dividir e compartilhar tudo isso com pessoas que a gente ama demais para deixar partir de nossas vidas…

Yes, Nós Temos Bananas!

Hoje tive banana no café da manhã! Não, isso não é comentário de gente com vida sem graça no Twitter ou no Facebook! Sabe aqueles sujeitos que não têm absolutamente NADA de bom prá dizer??? Não é esse o caso… Banana realmente têm sido momento de comemoração! Eu mesma não comia uma já tinha um tempo! Apenas a título de curiosidade, quase toda a produção de bananas vendida em Melbourne vem de Queensland, o Estado australiano devastado pelas últimas inundações. Resultado: em terras aussies, quem come banana é Rei!

Como não poderia deixar de ser, a coisa virou piada entre os amigos brazucas, moradores de Down Under, já que deixamos nossa querida terra natal, onde “Yes, nós temos bananas!”, em busca de novos horizontes. Seria trágico, se não fosse cômico (ou o contrário, escolha você!), que a gente vem parar do outro lado do mundo e tem que refazer o orçamento se quiser consumir a dita cuja!

Muitas pessoas têm me pedido ajuda com orçamentos, desejosos de saber mais ou menos quanto a gente gasta por mês nessa Terra de Meu Deus! Muito complicado estabelecer um gasto mensal, já que cada família tem seus costumes, seus gastos, seu estilo de vida! Tenho tentado ajudar como posso, procurando entender as necessidades de cada um, se estudante, se família, e de quantos, enfim, tenho me esforçado para chegar mais próxima possível da realidade.

Não é novidade para ninguém que Melbourne tem um custo de vida alto. Em qualquer site de informações, ou Blog, você vai encontrar alguém falando disso. Quando você vive aqui, então, você comprova o fato no seu próprio bolso. E acaba entendendo de uma vez que essa é uma das melhores cidades para emprego na Austrália, mas que seu sonho de encher os bolsos de dinheiro pode ter ido por água abaixo! Ter um estilo de vida legal é muito possível, já que ganha-se bem e a oferta de empregos é alta. Mora-se bem (mas paga-se BEEEEM por isso também!), come-se bem, diverte-se bem e surpreende-se bem quando sobra mês no fim do seu salário…

E com todo o “glamour” que as pessoas imaginam, de uma vida no exterior, em alguns momentos a gente se vê impossibilitado de comprar banana! É possível acreditar nisso???? Por aqui, atualmente, o ditado “a preço de banana” faz a gente pensar: vamos deixar prá outro dia, até o preço cair. Fatalmente, eis uma dieta SEM bananas. Mas, como diz a letra da música, “banana engorda e faz crescer”, não me dou por vencida: olho para elas, faço uma cara de desdém, jogo o cabelo para trás e empino o meu nariz… Não quero engordar mesmo!!!

Quem tiver coragem de pagar 12 dólares/kg da banana, que atire a primeira pedra!

 

 * Créditos da foto à minha amiga Ana Lúcia Melo, que cedeu gentilmente essa raridade, apenas em troca de… 1 kg de bananas! Hahahahahahahah! Obrigada, Ana!

 

Pior Que É Verdade!!!

Várias vezes já recebi esse texto por email… Sempre pensei em blogar, mas sinto vergonha… Vergonha de admitir que tudo isso acontece mesmo! E quando leio isso, começo à me questionar: será que podemos reclamar mesmo? Essa “coisa” não está já arraigada no cárater do povo brasileiro? Não faz parte já do nosso DNA? Morando aqui, a gente se depara com brasileiro fazendo cada coisa feia, tentando dar jeitinho em tudo, dar nó em pingo d’água, envergonhando a gente até no exterior… Soubemos de um brasileiro aqui que alugou um apartamento mobiliado e levou tudo pro Brasil quando voltou!!!  Aí eu penso: não basta mudar de país, de trabalho, ter uma oportunidade de crescer na vida, de aprender, de amadurecer… Tem que questionar a índole, o caráter, sondar aquilo que a gente realmente é, naquilo em que acredita e respeita. Amo ser brasileira, mas muitas vezes sinto vergonha disso. Julgue você mesmo. Eis o texto:

Os brasileiros reclamam de quê, afinal?

Eles:
– Falam no celular enquanto dirigem;
– Trafegam pela direita nos acostamentos num congestionamento;
– Param em filas duplas, triplas em frente às escolas;
– Saqueiam cargas de veículos acidentados nas estradas;
– Estacionam nas calçadas, muitas vezes debaixo de placas proibitivas;
– Estacionam em vagas exclusivas para deficientes;
– Subornam ou tentam subornar quando são pegos cometendo infração;
– Trocam votos por qualquer coisa: areia, cimento, tijolo, dentadura;
– Violam a lei do silêncio;
– Dirigem após consumirem bebida alcóolica;
– Furam filas nos bancos, utilizando-se das mais esfarrapadas desculpas;
– Espalham mesas e churrasqueiras nas calçadas;
– Pegam atestados médicos sem estar doentes, só para faltar ao trabalho;
– Fazem gato de luz, de água, TV a cabo e banda-larga;
– Registram imóveis no cartório num valor abaixo do comprado, muitas vezes irrisórios, só para pagar menos impostos;
– Compram recibos para abatê-los na declaração do imposto de renda;
– Mudam a cor da pele para ingressar na universidade através do sistema de cotas;
– Quando viajam a serviço pela empresa, se o almoço custou 10 pede nota de 20;
– Comercializam objetos doados nessas campanhas de catástrofes;
– Adulteram o velocímetro do carro para vendê-lo como se fosse pouco rodado;
– Compram produtos piratas com a plena consciência de que são piratas;
– Substituem o catalisador do carro por um que só tem a casca…
– Diminuem a idade do filho para que este passe por baixo da roleta do ônibus, sem pagar passagem;
– Emplacam o carro fora do seu domicílio para pagar menos IPVA;
– Freqüentam os caça-níqueis e fazem uma fezinha no jogo do bicho;
– Levam das empresas onde trabalham, pequenos objetos como clipes, envelopes, canetas, lápis… como se isso não fosse furto;
– Comercializam os vales transporte e refeição que recebem das empresas onde trabalham;
– Falsificam tudo, tudo mesmo… só não falsificam aquilo que ainda não foi inventado…
– Quando voltam do exterior, nunca falam a verdade quando precisam declarar o que trazem na bagagem…
– Quando encontram algum objeto perdido, a maioria não devolve;
– Compram carteirinhas de estudante apenas para pagar meia nos eventos…

E a lista pode aumentar, se cada um de nós acrescentar uma coisa que já viu ou ouviu por aí…

E querem que os políticos sejam honestos…
Estes políticos que aí estão não são estrangeiros! Saíram do meio desse mesmo povo. Precisamos mudar, urgentemente!”

Lendo isso, começo à pensar que o Tiririca não merecia apenas o cargo de Deputado Federal. A Presidência da República, para um povo como esse, lhe cairia MUITO bem…

Chega de TANTA palhaçada de todo o povo brasileiro!!!

A “Palhaçada” Nas Eleições Brasileiras…

Já mencionei aqui num outro post e refaço minha afirmação: se tem uma coisa da qual NÃO SINTO FALTA do Brasil, é a Política! Tenho muito orgulho, sim, de sermos um país “democrático” ( nem tanto, na minha humilde opinião), de termos um sistema de voto de Primeiro Mundo (embora no Primeiro Mundo eles não tenham um sistema como o nosso! Nas últimas eleições aqui na Austrália, levaram dias e dias apurando os votos!), de termos “liberdade” para discutir, conhecer e se aprofundar nas questões políticas e sociais do nosso país. Tudo isso foi conquistado com muita luta, depois de anos de ditadura militar e muito sofrimento do povo brasileiro. Hoje, o Brasil é respeitado politicamente falando em todo o mundo, com a quarta democracia mais forte do planeta!

Mas vamos falar sério??? Fiquei chocada quando vi o resultado para Deputado Federal. Sem nenhuma ofensa pessoal ao Tiririca, mas como um povo que pensa em mudar seu rumo político, mudar sua história, um povo que reclama tanto de seus políticos e suas atitudes, pode tê-lo como Deputado Federal do PR, o  MAIS VOTADO DO BRASIL, com 1.353.000 votos? Sim, mais de um milhão de votos para o Tiririca???

Desanimo com situações como essa! Desanimo de ver um Brasil novo, um Brasil moderno, rumo ao crescimento e desenvolvimento. Um Brasil que muitas vezes dá sinais de amadurecimento, de crescimento invejável, como por exemplo, duas horas depois já termos resultados confiáveis da eleição em vários estados… Mas a manisfestação do povo ao votar no citado “palhaço”, não me faz pensar em revolta contra a corrupção, nem desejo de mudança, nem maturidade para escolher… isso me soa como INFANTILIDADE política, desprezo pela preciosidade e unicidade do VOTO, desvalorização da própria cidadania!

E agora aguardemos pela “palhaçada” posterior, quando os candidatos começam as chamadas “coligações” para o Segundo Turno. Eles se atacam, quase se matam durante o Primeiro Turno, correm atrás das sujeiras passadas e jogam isso no ventilador, tornando os horários eleitorais gratuitos em momentos desagradáveis e, no mínimo, constrangedores, quando, na realidade, deveríamos ter esses momentos para conhecer as idéias e os projetos de cada candidato. Aí, no fim,”arqui-inimigos” dividem palanques, trocam abraços e apertos amigáveis de mãos. H-I-P-O-C-R-I-S-I-A!

Já me decepcionei muito em eleições passadas, quando eu me identificava totalmente (e ideologicamente) com os candidatos que escolhi, e posteriormente eles acabaram se coligando com gente desonesta, com ladrões descarados, gente tipo “que rouba mas faz”, entende? Por isso, não manifesto minha opinião, nem minha preferência para Presidente, porque posso ter uma nova decepção, mesmo não votando, ou estando fora do Brasil nessas eleições. De coração, espero que a pessoa que hipoteticamente receberia meu voto (e minha credibilidade!) não se alie àqueles em quem eu JAMAIS votaria por questões de ética e valores morais. E que Deus nos ajude. Embora tenha gente acreditando “nesta eleição nem mesmo Cristo querendo, me tira essa vitória”, que Ele seja o Árbitro em TODAS AS COISAS…